Segue uma lista de textos, entrevistas, dicas, comentários, opiniões dos especialistas do CEDES em sites, portais, blogs sobre assuntos polêmicos e atuais,sempre para melhorar a sua qualidade de vida, também sexual.

Especial Saúde do Homem - Impotência Sexual e Ejaculação Precoce

TRILHA: EU QUERO UM OVO DE CODORNA PRA COMER, O MEU PROBLEMA ELE TEM QUE RESOLVER……site câmara dos deputados 2005

Ovo de codorna, catuaba, gemada, amendoim. Pela crença popular, esses são alguns remédios mágicos para curar um dos maiores temores do homem: a impotência. De acordo com o urologista e terapeuta sexual Celso Marzano, a impotência, junto com a ejaculação precoce e a diminuição do desejo sexual são os maiores problemas sexuais que levam um homem a procurar um médico. Ele alerta, porém, que, se o homem tem menos de 50 anos, os problemas sexuais têm causas psicológicas em 90% dos casos. O que não diminui o problema. Celso Marzano explica que o medo do fracasso pode levar à impotência sexual, principalmente, se o homem já “falhou” antes.

“Ele vai ficar com aquilo na cabeça, ele vai achar que vai falhar. Aí ele se concentra só no pênis, esquece a parceira, e a resposta sexual é inibida.”

Com o avançar da idade, os problemas físicos passam a pesar mais nas dificuldades sexuais do homem. Depois dos 50 anos, a metade dos problemas passa a ter origem física. Aos 70 anos, 80% dos problemas são físicos. As principais causas físicas são arteriosclerose, diabetes, problemas hormonais e inflamações na próstata. O homem fumante também tem grandes chances de ter problemas de impotência.

TRILHA: EU TÔ MADURÃO, PASSEI DA FLOR DA IDADE, MAS AINDA TENHO ALGUMA MOCIDADE. VOU CUIDAR DE MIM PRA NÃO ACONTECER, VOU COMPRAR OVO DE CODORNA PRA COMER…

O militar aposentado Nilson de Salles, de 68 anos, conhece bem esse tipo de problema. Ele conta que há 2 anos procurou um urologista em busca de um remédio para melhorar o desempenho sexual. O médico sugeriu que Nilson tomasse Viagra. Desde então, ele vem usando o medicamento duas vezes por mês. Ele destaca que o resultado é satisfatório porque o medicamento mantém a ereção por um tempo superior ao normal.

“Sem o viagra, com medo da ereção acabar, queria logo consumar o ato. Agora, com o Viagra, você pode ter mais tempo de lazer, vamos dizer assim, sem aquela preocupação que a ereção vai terminar.”

Mas nem só homens de meia idade procuram melhorar seu desempenho sexual com medicamentos. A onda de remédios como viagra está cada vez mais difundida entre a juventude. Um rapaz de 27 anos, que preferiu não se identificar, começou a consumir viagra por curtição, como ele mesmo explica.

“Estava numa fase muito boa de mulherada, para curtir mesmo, para agüentar mais. O efeito é muito bom. É uma curtição para você se sentir bem, a mulherada ficava doida.”

Ele não teve nenhuma orientação médica para utilizar o medicamento. E conta que só ficou preocupado ao ver que estava ficando viciado em viagra.

“Tem que tomar cuidado com essa vontade, porque é como se fosse uma droga mesmo. Normal, essas que o pessoal utiliza, química, cocaína, deixa com cada vez mais vontade de usar.”

O presidente da Sociedade Latino-Americana de Urologia, Luiz Otávio Torres, alerta os jovens que tomam esses medicamentos indiscriminadamente. Ele diz que é preciso cuidado no uso recreativo por pessoas que não têm problemas de impotência. Luiz Otávio explica que o Viagra em si não causa problemas físicos. Mas a pessoa que utiliza o viagra somente para melhorar a performance sexual pode acabar tendo uma dependência psicológica com o medicamento. Ou seja, pode acabar achando que só vai “funcionar” sexualmente se tomar o viagra.

“O cara fica nervoso e imagina ´hoje eu não tomei o remédio´. E aí ele falha. Ele falhou porque estava ansioso, ele falhou por inúmeras razões, mas ele vai colocar na cabeça que ele falhou porque não tomou o remédio. Isso já aconteceu, isso acontece na realidade com uma certa frequência.”

Em outras palavras, a pessoa não tinha nenhum problema de ereção e passa a ter por causa do remédio.

TRILHA: EU JÁ PROCUREI UM DOUTOR MEU AMIGO, ELE ME FALOU “PODE CONTAR COMIGO”

Outro problema sexual que preocupa os homens é a ejaculação precoce. Nesse caso, os jovens são os maiores atingidos. Na maioria das vezes, a ejaculação precoce está relacionada à ansiedade e ao medo de não conseguir manter a ereção. O médico Celso Marzano explica melhor o que acontece.

“A causa em si da ejaculação precoce ninguém sabe. Uns falam que é costume, porque começou a ter relações sexuais com mulheres que queriam coisa rápida, garotas de programa, ou então muita masturbação, com medo, se culpando por isso, então ele acostumou seu corpo a isso. Mas também tem uma personalidade própria do homem que tem ejaculação precoce, que é uma personalidade de um homem que é rápido em tudo, não é só na ejaculação. Ele já tem uma ansiedade própria. Então você tem que educar esse homem a conhecer sua própria resposta sexual. Aí que entra a terapia. Ou então você dá um anti-depressivo. Ele ajuda, mas só vai ajudar enquanto estiver tomando remédio.”

Seja qual for o problema, o fato é que os homens demoram muito a procurar ajuda médica quando têm dificuldades sexuais. Segundo o médico Celso Marzano, passam-se de 3 a 5 anos até que o homem tenha coragem de se abrir com um médico. Como a maioria das dificuldades sexuais têm causa emocional, uma terapia pode resolver aquele problema que tira o sono do homem esse tempo todo.

De Brasília, Adriana Magalhães.

http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/radio/materias/REPORTAGEM-ESPECIAL/332569-ESPECIAL-SA%C3%9ADE-DO-HOMEM–IMPOT%C3%8ANCIA-SEXUAL-E-EJACULA%C3%87%C3%83O-PRECOCE–(-06′-01%22-).html

Veja posições do Kama Sutra indicadas para a crise dos 3 anos

Pesquisas indicam que a famosa crise dos sete anos de relacionamento agora ocorre antes, aos três anos. E um dos problemas comuns dessa fase é a falta de clima de romance, incluindo carinho e sexo. “Com o passar dos anos, a cama, que era o local de acerto de contas para a reconciliação, passa a ser o local de ansiedades e cobranças quanto ao desempenho sexual de ambos os parceiros. Estafa física e estresse emocional favorecem a protelação do início de carinhos, beijos e o sexo propriamente dito, até por preguiça”, disse o urologista, sexólogo e terapeuta sexual Celso Marzano, autor do livro O Prazer Secreto, da Editora Eden.
Para reverter a situação, é fundamental refletir sobre o assunto. Tente responder questões como “o que posso mudar para melhorar a minha vida e a vida dos que me cercam?”, “do que gosto?”, “como gosto de tocar e ser tocado?”. Diga para o companheiro o que sente, o que quer mudar e melhorar; e escute a opinião dele.
O sexo deve sempre ter espaço na vida do casal para uma aproximação contínua. Se quer apimentar a relação e aumentar o envolvimento, aposte em posições de maior contato com o beijo, a respiração e o toque livre. Use os cinco sentidos e adicione fantasias, imaginação. Confira a seguir as seis posições do Kama Sutra indicadas para melhorar a resposta sexual, segundo Marzano.
O TRAPÉZIO
Descrição – O homem se senta com as pernas abertas na beira da cama e introduz o pênis ereto na mulher. Ele a pega pelos braços e ela passa as pernas ao redor da cintura do companheiro. Ela vai se inclinando para trás até que deite a cabeça na cama. O homem define o ritmo da penetração.
Comentário – Posição interessante e com mais uso dos cinco sentidos. O terapeuta sexual Celso Marzano a indica para melhorar a resposta sexual.
tra1.jpg
A SONOLENTA
Descrição – A mulher se deita de costas enquanto o homem se coloca por trás para começar a penetração, com seu peito encostado em um dos ombros dela. O pênis sobe entre as nádegas dela, que leva uma das pernas para trás e a encosta atrás da cintura do parceiro, facilitando a penetração.
Comentário – A maior vantagem, na opinião do sexólogo, é a mulher poder se masturbar ou acariciar o parceiro. É uma posição que pede intimidade.
tra3.jpg
O MOLDE
Descrição – A mulher, deitada de lado, se apoia sobre um de seus ombros e mantém as pernas juntas e dobradas para que pressionem com força o pênis durante a penetração. O homem adota a mesma postura por trás. Com movimentos suaves e delicados, o homem começa a penetração de uma forma muito lenta, mas com uma fricção bastante forte, já que essa postura faz com que a vagina fique semifechada, o que permite ao pênis roçar os músculos vaginais a cada investida.
Comentário – A segunda melhor posição, de “conchinha”, permite muito toque e troca de sensações de prazer.
tra4.jpg
A LIBÉLULA
Descrição – Os dois amantes se deitam de lado, ambos apoiados sobre um de seus cotovelos. O homem fica atrás da mulher, com seu peito tocando as costas dela e a boca apoiada sobre o pescoço da amante. Enquanto ela levanta a perna que está por cima e a flexiona, ele aproveita o momento para iniciar a penetração. Ele poderá estimular o clitóris dela com facilidade e também consegue tomar impulso para tornar a penetração mais intensa ao fazer alavanca com a perna da companheira. O ritmo da penetração é totalmente definido pelo homem.
Comentário – Boa posição pela penetração mais profunda e maiores variações de movimento.
tra5.jpg
A MARIPOSA
Descrição – O homem se senta com as pernas abertas e os braços apoiados atrás do corpo, enquanto a mulher se senta em cima dele e inclina o torso ligeiramente para trás, apoiando suas mãos na cama. O homem a penetra suavemente e ambos fazem movimentos circulares em sentidos inversos. A mulher controla o ritmo da penetração com as pernas.
Comentário – Essa postura permite penetrações profundas e favorece o uso dos cinco sentidos.
tra6.jpg
A ÁRVORE FLORESCENTE
Descrição – Os amantes começam de pé, olhando-se. O homem abre ligeiramente as pernas e pega uma das pernas da mulher, que deve ficar apoiada em sua cintura. Ele levanta a mulher um pouco, ainda segurando-a pela perna, e começa a penetração. O pênis é introduzido e retirado totalmente a cada investida. Os beijos e as carícias devem começar aos poucos e aumentar em intensidade, até chegar a um estágio selvagem.
Comentário – Favorece o uso dos cinco sentidos, mas tome cuidado para não perder o equilíbrio.
tra8.jpg
Fonte: Com informações do Terra Notícias
Publicado Por: sertaniavip

Por que traímos? Entrevista com Dra Olga Inês Tessari. site: ajudaemocional.com

Por que traímos?  

A resposta mais corriqueira para essa pergunta é “o meu relacionamento não estava bom”.

Porém, ninguém nunca ouviu dizer que uma traição resolveu o problema da relação. E mais: recente pesquisa revela que o brasileiro é o campeão da América Latina na “arte” da infidelidade.

Para cada “pulada de cerca” existe um argumento ou, pelo menos, tenta-se explicar. Já para quem ganhou a “coroa” de traído o único sentimento é o da rejeição. Mas antes de discorrer sobre o tema, pense em uma resposta para esta pergunta: o que é traição? O tema abre espaço para várias vertentes e está presente nas letras das canções mais apaixonadas, nas histórias de amor e cada uma sentencia a causa: sexo casual, sem sentimento, é traição?

“A traição acontece quando um acordo é quebrado e a confiança é perdida”, opina a psicóloga e escritora Olga Tessari, autora do livro “Dirija sua vida sem medo”. Em nossa sociedade o casal precisa manter a fidelidade, mas os conceitos podem variar em cada país como na Árabia Saudita e no Afeganistão onde o homem pode ter mais de uma esposa. Já para o público feminino o privilégio é muito raro (em nossa equipe, pelo menos, não houve sucesso na identificação de algum país).

Somos campeões!

Segundo o Instituto Tendências Digitales trair no Brasil é “fácil” se comparado a outros países da América Latina. A Instituição realizou uma pesquisa em 11 países e o resultado foi que os brasileiros possuem os maiores índices de infidelidade. O resultado pode deixar muita gente sem dormir e, mais uma vez, os homens são maioria. O curioso dessa pesquisa é que as brasileiras estão apenas há um pouco menos de 15% atrás deles.

Entre os homens, 70% revelaram que já traíram alguma vez na vida. Já entre as mulheres, 56,4% disseram sim, eu traí! É a maior porcentagem da região. Somente 36,3% dos brasileiros disseram que nunca traíram e apenas a Colômbia tem um número menor de fiéis convictos: 33,6%. Para o sexólogo Celso Marzano “essa é uma questão difícil e não existe um cálculo perfeito que revele quem faz mais”, disse. Será que dá para avaliar em pesquisas nossos verdadeiros atos?

Homens versus mulheres

A pulada de cerca entre eles e elas pode ter razões diferentes e a ciência comportamental tem as explicações. “Posso afirmar que os homens traem por razões ligadas a sexualidade e as mulheres por motivos que envolvem casamento e vingança”, explicou Marzano. A espiadinha para o lado e o desejo pelo outro possui várias vertentes, mas isso não quer dizer que o “chifre” tem uma explicação.

No caso dos homens ainda há o pensamento machista e persiste a teoria do ser animal. Porém, hoje temos a racionalidade como guia e podemos assumir compromissos e, o mais importante, cumpri-los. Quando não há argumentos a mulher, por vezes, perdoa o erro do parceiro. “Ela ‘aceita’ a traição sexual do seu companheiro, mas não a admite quando percebe que ele está envolvido afetivamente com a outra”, argumentou Olga Tessari.

No caso delas, os dois especialistas são unânimes ao dizer que a traição feminina (os 56,4% indicados pela pesquisa) está ligada ao sentimento de carência. “É de cunho afetivo e acontece quando ela não se sente correspondida no amor pelo seu companheiro e não existe atenção nem carinho ou para revidar a traição do parceiro”, explica Olga Tessari. Marzano completa que “as mulheres traem por curiosidade, pela afirmação da feminilidade ou decepção, desamor e raiva do parceiro”.

Traição moderna

Com a internet e a proliferação das páginas e redes sociais, parece que trair ficou mais fácil. Hoje, com apenas alguns minutos, é possível encontrar sexo nas salas de bate-papo ou pelo virtual, via webcam. Nasce um novo conceito em chifre. “Traição virtual ou real, tanto faz, depende apenas do ponto de vista de quem se sente traído. Já tive pacientes que terminaram o relacionamento porque o parceiro estava conversando com estranhos na Internet”, relatou Olga Tessari. Há mais casos dentro do mundo virtual, como ter contato com pessoas estranhas ou ficar por horas em páginas pornográficas. “A tolerância ou intolerância com a traição depende de muitos fatores e cada pessoa tem o seu nível. O que pode ser traição para um para o outro não é”, disse ela.

Então, porque casamos?

Eis a questão final para o nosso problema: o desejo de encontrar nossa cara metade. O problema é que o fantasma da traição ronda a vida de qualquer casal. Helena* viveu um trauma e saiu do conto de fadas para seu próprio roteiro de filme de terror. Ela passou de um relacionamento estável e vida sexual ativa para o pesadelo de ser traída. “Aguentei três anos e pedi a separação. Ele foi embora com a amante, com quem vive até hoje”, contou.

Se não é possível ir contra os fatos o jeito é encontrar soluções. Tem gente que descobriu na tolerância a fórmula para a união duradoura. É o caso da vendedora autônoma Roberta* que acredita que a traição só existe quando há o envolvimento emocional. “Se existe apenas o sexo sem o sentimento não considero traição”, define. Mesmo com todos os conceitos da modernidade, a ideia de fidelidade ainda prevalece e, num modo geral, as pessoas acreditam no relacionamento. “O sonho da mulher ainda é encontrar o príncipe que vem no cavalo branco, que a leve para o castelo e lá vivam felizes para sempre. A nossa cultura ainda valoriza muito o casamento e a traição sempre existiu, porém hoje ela é menos aceita, tanto pelas mulheres como também pelos homens”, finalizou Olga Tessari.

Seja o detetive

Segundo especialistas, algumas pistas indicam a traição do homem e da mulher. A pulga que te atormenta atrás da orelha, pode mandar vários sinais. Conheça-os:

  • Expressão corporal. Quando a gente mente ou engana, geralmente o corpo tende a nos denunciar. Encolhemos os ombros, piscamos muito e enrugamos a testa.
  • Evidências: Marcas no corpo, na roupa e cheiros estranhos.
  • Telefonemas estranhos, sem explicação ou lógica, e quando atendidos geram nervosismo, tremores, mudança de tom de voz, ansiedade evidente e saída do ambiente.
  • Mudança de comportamento e de atitudes no dia a dia.
  • Mudança no ritmo de horário, de chegar ou sair de casa.
  • Disfunções sexuais: podem ter como causa a culpa, dor na consciência, etc.
  • Sugestão, que não médica, do início de uso do preservativo.

Matéria publicada na Revista Interativa por João Rennato 28/11/2011

http://ajudaemocional.tripod.com/id686.html

Sexo anal - site como conquistar um homem em 90 min

O sexo anal sempre foi um tabu entre quatro paredes. A prática é muitas vezes olhada com desconfiança e preconceito por homens e, principalmente, por mulheres, mas este panorama aparenta passar por mudança. Uma recente pesquisa realizada nos Estados Unidos constatou que 47% das pessoas gostam de sexo anal, sendo que 25% praticam regularmente.

Apesar da gradual ida do sexo anal para o “mainstream”, a desinformação a respeito do assunto ainda é grande, o que pode fazer com que o casal desista de tentar depois de uma relação mal sucedida.

Tudo sobre sexo anal no Abril.com

O Dr. Celso Marzano é um urologista e sexólogo, diretor do Centro de Estudos Educação e Sociedade (CEDES) e professor da Unicamp. Marzano também é autor do livro “O Prazer Secreto” que trata, exclusivamente, sobre sexo anal e tudo que ronda o tema.

Leia a entrevista com o especialista::

O que é preciso para iniciar nesta prática?
É totalmente possível praticar o sexo anal com segurança e prazer usando lubrificante, camisinha e técnica adequada. De forma geral, praticantes do sexo anal relatam nas primeiras vezes a sensação de preenchimento e pressão contra as paredes do reto. Com a experiência, a praticante começa a ter prazer. Acompanhada por todo o envolvimento que o sexo gera, passa a ser um momento envolvente de trocas de sensações sexuais muito agradáveis.

É normal a mulher sentir dor?
De maneira geral, o sexo anal não deve ser dolorido. Se doer, é porque o casal está fazendo algo de errado. A falta de informações técnicas é, provavelmente, a causa das doloridas tentativas desta variação sexual. A passagem pelo ânus sem causar dor depende muito da sensibilidade e experiência do penetrante. Ao perceber a dificuldade de penetração, sugere-se a seguinte tática: um pequeno movimento para trás e uma leve mudança da direção do pênis podem fazer um encaixe mais adequado e a ultrapassagem desta válvula.

Quais os cuidados que devem ser tomados?

Usar camisinha sempre e nunca após a penetração anal deve existir penetração vaginal em seguida. A manipulação com os dedos no ânus também nunca devem ser seguidas de manipulações vaginais. Tanto o pênis, como os dedos e consolos, se penetrados no ânus, com ou sem camisinha, são contaminados com fezes ou com secreções fecais nem sempre visíveis e não devem ser sugados ou penetrados na vagina ou na boca. Estas contaminações e infecções podem ser graves, levando a conseqüências sérias como infertilidade, pelviperitonite (infecção da região da bacia e abdome) e dores. No caso da mulher estar grávida, pode levar até ao aborto.

Como a mulher pode atingir o orgasmo?
A mulher poderá chegar ao orgasmo, principalmente se houver a manipulação do clitóris durante a penetração anal. O importante é que a penetração aconteça de forma lenta e cuidadosa. Pode ser que a primeira tentativa não seja tão prazerosa. Portanto, é necessário que o casal converse muito e que a mulher não ceda apenas para satisfazer seu parceiro.

Existe alguma higiene específica?
Para não correr o risco de soltar detritos fecais no pênis do parceiro, uma boa limpeza do ânus é imprescindível. Para evitar que algo assim aconteça, a mulher pode evacuar antes, se sentir vontade, e fazer em seguida a devida higiene com água e sabonete. Devido à dieta errada, stress, constipação, diarreia ou outros problemas gastrointestinais pode haver mais fezes ou resíduos fecais no reto. Nestes casos, sob orientação médica, pode-se optar pelo uso de uma limpeza mecânica do canal do reto.

Que tipo de lubrificante é recomendado?
É preciso utilizar algum gel à base de água, vendido em farmácias e supermercados, para amenizar o atrito do pênis. Não outros tipos, como cremes, que além de possibilitarem uma irritação local podem comprometer o preservativo fazendo-o se romper.

Quais os riscos desta prática?
Alguns dos riscos de se praticar o sexo anal sem os devidos cuidados são: piora de hemorroidas, fissura por traumatismo local, incontinência de gases e secreções e o contágio de doenças sexualmente transmissíveis. No caso das DSTs tanto a mulher quanto o homem estão sujeitos à exposição.

Existe algum procedimento específico para antes e depois do sexo?
São muito importantes as preliminares, principalmente quando se pensa em praticar o sexo anal, que exige maior relaxamento e entrega entre os parceiros. Após o sexo, o cuidado maior é com a higiene, lavando as regiões genitais com água e sabonete.

Qual a melhor posição para a prática?

A posição ideal é aquela na qual os casais se sentem mais confortáveis e confiantes, com maior possibilidade de ter prazer. A tentativa e o experimentar são válidos para se saber como é a penetração é facilitada.

http://comoconquistarumhomemem90minutos.blogspot.com.br/2013/08/dr-celso-marzano-sexologo-especializado.html

Como deixar a mulher segura e à vontade para fazer sexo anal em oito passos

Como deixar a mulher segura e à vontade para fazer sexo anal em oito passos

 http://www.caigatoda.com.br

O sexo anal é bastante apreciado pelos homens em geral, mas ainda é visto como sinônimo de desconforto por algumas mulhereS

  • Melhores posições para a prática são as que deixam a mulher no domínio

 

O sexo anal é bastante apreciado pelos homens em geral, mas ainda é visto como sinônimo de desconforto por algumas mulheres. Ao propor a prática, o homem deve estar a par de oito temas para deixar a parceira à vontade e segura, segundo especialistas ouvidos por UOL Comportamento. Veja a seguir.

1 – Camisinha é obrigatória
O uso do preservativo, assim como em todas as práticas sexuais, é fundamental para evitar a transmissão de doenças. Na penetração anal, a camisinha torna-se ainda mais indispensável. “A mucosa da região é muito frágil e a penetração pode romper vasos sanguíneos, fazendo o pênis ter contato com sangue. Além disso, é importante saber que a prática é uma das formas mais comuns de transmissão do vírus da Aids e de outras DSTs (doenças sexualmente transmissíveis)”, afirma Florence Marques, ginecologista e coordenadora do Ambulatório de Sexologia da PUC (Pontifícia Universidade Católica) do Rio Grande do Sul. A especialista recomenda o uso de preservativos simples, sem textura, por exemplo, para evitar atrito e irritação da área, que é muito sensível.

2 – Sexo anal tem de ser “exclusivo”
De acordo com Celso Marzano, urologista, sexólogo e terapeuta sexual, o que penetrar o ânus não deve entrar em nenhum outro orifício pelo risco de contaminação de bactérias normais do reto. Nem trocar a camisinha é suficiente. “Na troca de preservativo, as mãos contaminam a nova pelas secreções do pênis ou do preservativo anterior. Não custa nada dar uma lavada rápida, mas bem feita, e proteger a parceira”, afirma.  O especialista destaca também o cuidado que se deve ter ao estimular o orifício com os dedos, pois estes também ficam contaminados e não devem ser usados para manipular a vagina antes de serem higienizados.  “Tanto o pênis, como os dedos e vibradores, se penetrados no ânus, com ou sem camisinha, são contaminados com fezes ou com secreções fecais nem sempre visíveis.”

3 – Sem lubrificante não dá

Se o homem quer fazer a parceira achar o sexo anal prazeroso, não deve esquecer de ter a mão um lubrificante à base de água. O ânus não é como a vagina, que se lubrifica naturalmente durante a excitação e, consequentemente se prepara sozinha para a penetração. “Se o lubrificante não for usado, o atrito vai tornar a relação desconfortável. E é sempre bom evitar aqueles que têm vaselina na composição, pois esse elemento facilita romper o preservativo”, declara Florence.

4 – Preliminares são indispensáveis
O ânus possui dois esfíncteres (interno e externo), musculatura fibrosa em forma de anel que ajuda a conter as fezes. “Quando o orifício é tocado, involuntariamente o anel interno se contrai. Para fazer a penetração, é preciso estimular a região com lubrificante. Quanto mais relaxada e estimulada a mulher estiver, mais fácil vai ficar”, explica a ginecologista Florence Marques. A blogueira sexual Lasciva recomenda que o homem faça sexo oral e estimule o ânus da parceira ao mesmo tempo. “É a minha dica para obter a dilatação necessária e garantir a penetração.”

5 – Melhores posições
O ideal é que o homem procure saber quais são as posições mais confortáveis para a mulher. “As melhores são aquelas em que nós (mulheres) temos o controle da penetração, como a de lado, na qual o casal forma a famosa “conchinha”. As em que ficamos em quatro apoios, por exemplo, nem pensar, pois deixam a mulher mais vulnerável a acidentes, como o pênis entrar mais do que o desejado”, diz Lasciva.

6 – Paciência
Para Lasciva, o momento mais importante do sexo anal é o início da penetração. “É preciso paciência, ir devagar e não mexer, no primeiro momento. Como o anel externo já deve estar relaxado pelas preliminares, essa pausa, depois que o pênis estiver lá dentro, é essencial para deixar o segundo (anel) na mesma condição. Só depois de alguns segundos, comece os movimentos, lentamente.”

7 – O orgasmo dela
Se o homem quer que a parceira passe a gostar de uma determinada prática sexual, deve se concentrar em dar prazer a ela naquele momento. No sexo anal, não é diferente, e a atenção com as outras partes do corpo tem de ser maior. “É raro gozar apenas com a penetração anal, por isso o estímulo do clitóris é essencial”, afirma Lasciva. Segundo a ginecologista Florence Marques, a região anal é sensível e pode dar prazer por si só, mas outros carinhos não devem ser dispensados.

8 – “Surpresas” podem aparecer
Na prática de sexo anal, deve-se estar preparado para lidar com a presença de detritos fecais. Para evitar imprevistos, o urologista, sexólogo e terapeuta sexual Celso Marzano aconselha evacuar antes da relação e fazer a higiene da região com água e sabonete, para evitar mau cheiro. A lavagem interna do canal retal também é comum e segura, quando realizada com lubrificação e cuidados para não se ferir, como o uso de sonda. “Se um acidente acontecer e as fezes aparecerem, relaxe e encare o fato com naturalidade. Para que não aconteça momentos constrangedores, toda relação sexual deve ser muito bem conversada entre o casal.

http://www.caigatoda.com.br/noticias-intro/2408/como-deixar-a-mulher-segura-e-a-vontade-para-fazer-sexo-anal-em-oito-passos

Voyeurismo - Normal ou Doença Sexual ?

Voyeurismo – Normal ou Doença Sexual ?

http://www.brasilmedicina.com.br/

 

O Voyeurismo envolve o ato de observar pessoas, geralmente estranhos, sem suspeitar que estejam sendo observados, que podem estar nus, despindo-se ou em atividade sexual. O ato de observar (“espiar ou espionar”) serve à finalidade de obter excitação sexual, embora geralmente não seja tentada qualquer atividade sexual com a pessoa observada. O orgasmo.

Em geral o observador masturba-se durante o voyeurismo ou mais tarde, em resposta à lembrança do que a pessoa testemunhou. O voyeurismo inclui homens e mulheres, mas, no entanto a porcentagem é maior entre homens. Faz parte das fantasias sexuais.

Mas se persistirem por um período superior a 6 meses podem e devem ser tratadas. Esta categoria é incluída na classificação das variações sexuais como Parafilias – Prática fora do socialmente aceito como ?normal?, sem a qual não se consegue prazer. Outros exemplos incluem necrofilia (cadáveres), parcialismo (foco exclusivo em uma parte do corpo), zoofilia (animais), coprofilia (fezes), e urofilia (urina).

Estas fantasias, impulsos sexuais ou comportamentos podem causar sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social ou ocupacional ou em outras áreas importantes da vida do indivíduo. Para estimular a resposta sexual, a ereção, a masturbação e o orgasmo é necessário fantasiar.

Qualquer meio de comunicação ( tv,revistas,filmes) é fonte de fantasias. Nos todos praticamos o voyerismo continuamente, em graus diferentes, e com intenções diferentes; muitas vezes com intuito sexual, sem significado patológico, sem ser doença. O voyeurismo precisa ser tratado quando há um prejuízo emocional, quando a pessoa que o pratica sofre e não aceita esta situação.

Deve procurar um terapeuta sexual para tirar este sofrimento que terá repercussões na sua resposta sexual. Em sua forma severa, o ato de espiar constitui a forma exclusiva de atividade sexual. Se a pessoa descobre que está sendo espionada? primeiro deve-se tentar evitar a possibilidade que isto ocorra com cuidados simples como cortinas, fechar portas , etc, evitando o atrito pessoal. Se permanecer este tipo de assédio sexual, uma conversa franca pode resolver o problema; claro, se a pessoa que espia for conhecida. Fora isto uma ocorrência policial e providências jurídicas são necessárias.

Dr. Celso Marzano é médico especialista em sexologia e urologia